Vidraceira Stª Maria


Ir para Conteúdo

Menu Principal:


Vidros

Serviços

Máquinas Utilizadas nos nossos serviços. BISEL

Em Portugal
Taça de vidro.Foi só no século XVIII que se estabeleceu em Portugal a indústria vidreirana Marinha Grande e ainda hoje esta existe.
Anteriormente, há notícia, desde o século XV, da existência de alguns produtores artesanais de vidro.
É conhecido o labor do vidreiro Guilherme, que trabalhou no Mosteiro da Batalha.
O vidro era obtido através da incineração de produtos naturais com carbonato de sódio (erva-maçaroca).
Houve diversos fornos para a produção vidreira em Portugal, mas a passagem de uma produção artesanal, muito limitada, para a produção industrial foi lenta.
Uma fábrica existente em Coina veio a ser transferida para a Marinha Grande, em consequência da falta de combustível. Estava-se no reinado de D. João V.
A proximidade do Pinhal de Leiria, teria aconselhado a transferência da antiga Real Fábrica de Coina.
Depois, o Marquês de Pombal concedeu um subsídio para o reapetrechamento desta fábrica vidreira na Marinha Grande.

Em 1748 estabeleceu-se na Marinha Grande John Beare, dedicando-se ali à indústria vidreira.
A abundância de matérias primas e de carburante aconselhavam o fomento dessa indústria naquela região.
Em 1769 o inglês Guilherme Stephens beneficiou de importante protecção do Marquês de Pombal e estabeleceu-se na mesma localidade:
subsídios, aproveitamento gratuito das lenhas do pinhal do Rei, isenções, etc. A Real Fábrica de Vidros da Marinha Grande.
Desenvolveu-se a ponto de ser Portugal, a seguir à Inglaterra, o primeiro país a fabricar o cristal.
Vidro e o meio ambiente
Ainda não se pode determinar o tempo que o vidro fica exposto no meio ambiente sem se degradar.
O vidro é um material que não se pode determinar o tempo de permanência no meio ambiente sem se degradar, e também não é nocivo diretamente ao meio ambiente,
por isso é um dos materiais mais recicláveis que existe no consumo humano.
Durante sua produção, a poluição atmosférica não é um problema, visto que a maioria dos fornos funcionam com energia elétrica.
Para minimizar as emissões gasosas dos fornos a gás, as indústrias utilizam gás natural, que provoca menor impacto no meio ambiente.
Composição
As matérias primas que compõem o vidro são os vitrificantes, fundentes e estabilizantes.
Os vitrificantes são usados para dar maior característica à massa vidrosa e são compostos de anidrido sílico, anidrido bórico e anidrido fosfórico.
Os fundentes possuem a finalidade de facilitar a fusão da massa silícea, e são compostos de óxido de sódio e óxido de potássio.
Os estabilizantes têm a função de impedir que o vidro composto de silício e álcalis seja solúvel, e são: óxido de cálcio, óxido de magnésio e óxido de zinco.
A sílica, matéria prima essencial, apresenta-se sob a forma de areia; de pedra cinzenta; e encontra-se no leito dos rios e das pedreiras.
Depois da extração das pedras, da areia e moenda do quartzo, procede-se a lavagem a fim de eliminar-se as substâncias argilosas e orgânicas;
depois o material é posto em panelões de matéria refratária, para ser fundido.
A mistura vitrificável alcança o estado líquido a uma temperatura de cerca de 1.300°C e, quando fundem as substâncias não solúveis surgem à tona e são retiradas.
Depois da afinação, a massa é deixada para o processo de repouso, de assentamento, até baixar a 800°C, para ser talhada.
Fabricação
Fabrico de peças em vidro usando moldagem por sopro.A fabricação é feita no interior de um forno, onde se encontram os panelões.
Quando o material está quase fundido, o operário imerge um canudo de ferro e retira-o rapidamente, após dar-lhe umas voltas trazendo na sua extremidade uma bola de matéria incandescente.
Agora bola incandescente, deve se transformada numa empola.
O operário gira-a de todos os lados sobre uma placa de ferro chamada marma. A bola vai se avolumando até assumir forma desejada pelo vidreiro.
Finalmente a peça vai para a seção de resfriamento gradativo, e assim ficará pronta para ser usada.
Tipos de vidros
Vidro formado naturalmente.Vidro para embalagens - garrafas, potes, frascos e outros vasilhames fabricados em vidro comum nas cores branca, âmbar e verde;
Vidros para a construção civil - Vidro plano - vidros planos lisos, vidros cristais, vidros impressos,vidros refletivos, vidros anti-reflexo, vidros temperados,
Vidros laminados, vidros aramados, vidros coloridos, vidros serigrafados, vidros curvos e espelhos
fabricados a partir do vidro comum;
Vidros domésticos
- tigelas, travessas, copos, pratos, panelas e produtos domésticos fabricados em diversos tipos de vidro;
Fibras de vidro - mantas, tecidos, fios e outros produtos para aplicações de reforço ou de isolamento;
Vidros técnicos - lâmpadas incandescentes ou fluorescentes, tubos de TV, vidros para laboratório (principalmente o vidro borossilicato),
para ampolas, para garrafas térmicas, vidros oftálmicos e isoladores elétricos;
Vidro temperado - aquecimento entre 700° e 750° através de um forno e resfriamento com choque térmico, normalmente a ar,
causando aumento da resistência por compactação das camadas superficiais. O aumento da resistência mecânica chega a 87%.
O vidro após o processo de têmpera não poderá ser submetido a lapidação de suas bordas, recortes e furos.
Vidro laminado - composto por lâminas plásticas e de vidro. É utilizado em pára-brisas de automóveis, clarabóias e vitrines.
Vidros comuns - decorados ou beneficiados - São os vidros lapidados, bizotados, jateados, tonalizados, acidados, laqueados e pintados,
utilizados na fabricação de tampos de mesas, prateleiras, aparadores, bases e porta-retratos. Nas espessuras de 2 mm a 25 mm.

Página Principal | Quem Somos | Localização | Portfólio | Serviços | Mapa do Sítio Web (website)


Sub-Menu:


Copyright: Todos os direitos reservados, Hoje é Desenvolvido por Mwebdesign1.com - Actualizado (em 08 Set 2013 ) | vidraceirastamaria@gmail.com

Retroceder ao Conteúdo | Retroceder ao Menu Principal